minhas ideias

Como organizar nossos pensamentos Revista Vida Simples nº41, 01/05/2006

O que diferencia os homens dos animais é o pensamento. Que diferencia os homens entre si é a qualidade desse pensamento. E, para melhorar essa qualidade, inventamos a educação, a psicologia, a literatura, a poesia.

 

Sim, temos essas ferramentas para melhorar nossa faculdade de pensar, mas, por outro lado, algo nos atrapalha: os excessos. As mídias variadas que disputam nosso interesse, as notícias frescas e requentadas que se acumulam em nosso buffer mental esperando a análise mais cuidadosa que nunca virá e as informações de múltiplas faces que esperam ser analisadas e absorvidas, têm o poder de provocar o curto-circuito que quase nos transforma em paralíticos mentais, claudicantes nos pensamentos, vacilantes nas respostas e inseguros nas decisões.

 

Nessas horas de exageros, o certo é tirar o pé do acelerador mental, raspar os excesso e focar. Os cientistas chamam essa prática de isolar e pinçar. Isolamos o assunto que nos interessa e o pinçamos do meio poluído, então conseguimos vê-lo com mais clareza. A isso chamamos de pensar bem.

 

Quando, no meio de uma confusão, alguém semicerra os olhos, olha para baixo em um pequeno ângulo e diz “pensando bem…”, acredite, ele isolou o assunto que o interessa e se livrou dos excessos. Nesse momento, sua capacidade de análise aumentou consideravelmente e é bom escutar o que ele tem a dizer.

 

Pensar é fácil, comum e rotineiro. Pensar é biológico. Pensar bem exige consciência, serenidade, preparo. Pensar bem é mental. Todo mundo pensa, nem todos pensam bem. Pensar bem é vestir o escafandro do interesse e ir fundo em uma questão que até então era tratada superficialmente. E quando mergulhamos vemos outro mundo.

 

Um mergulho na realidade

 

A metáfora do mergulho é apropriada neste caso. Lembro-me que quando me deixei, pela primeira vez, engolir pelo mar, após freqüentar o curso de mergulho autônomo. Senti que estava entrando um novo mundo, uma dimensão diferente, fascinante, com uma lógica própria e até então desconhecida para mim. Ao voltar para o barco, o instrutor quis conhecer meu sentimento, e eu lhe disse: “quando vi aquele mundo lá em baixo, tive a impressão que estive com os olhos fechados até então”. Era o que eu estava sentindo, de verdade.

 

Pensar bem é parecido com isso. É abrir os olhos para uma realidade que não enxergávamos direito porque não olhávamos só para ela. Muitas vezes teimamos em tentar entender a vida transformando nossa atenção em um calidoscópio cujas peças formam imagens diferentes a cada instante e não temos à nossa frente uma realidade, temos várias, e não sabemos qual escolher. Nessa hora, pense bem.

 

A Razão e a Sandice

 

Que Machado de Assis foi um gênio ninguém duvida. Com sua obra colocou a literatura brasileira em um novo patamar. Em 1881 publicou Memórias póstumas de Brás Cubas. O personagem central é um homem comum que estudou direito em Coimbra, teve um cargo público, tentou ser ministro sem sucesso, investiu tempo e dinheiro na criação de um emplasto que não deu certo, nunca se casou, não teve filhos e morreu angustiado. Brás Cubas tinha um amigo chamado Quincas Borba, uma namorada chamada Eugênia e uma amante chamada Virgília, morreu aos 64 anos e só entendeu a vida depois da morte. Foi quando ele parou para pensar bem.

 

Com Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis inaugurou o Realismo Psicológico. O foco central desse romance não é a vida da sociedade, a descrição da cidade, das paisagens ou das pessoas. Não interessa quem são os personagens e sim a forma como eles sentem e como se relacionam com suas circunstâncias. O foco de Machado de Assis, nesse livro, é o interior das pessoas, seus dilemas existenciais, suas contradições emocionais. Não interessa o fato mundano, e sim a vida interior, a alma humana. A marca registrada desse enredo, é que ele é contado por um defunto. Brás Cubas dedica a obra ao primeiro verme que comeu sua carne.

 

Em um dos capítulos o defunto autor (e não autor defunto, esclarece) cria dois personagens antagônicos que, segundo ele, costumam nos transformar em suas moradas: a Razão e a Sandice. Só depois de morto Cubas consegue dar força à Razão para que esta expulse a Sandice de casa. Disse a Razão à Sandice, quando esta lhe pede apenas um espaço no sótão da casa (um cantinho em nossa consciência):

 

- Estou cansada de lhe ceder sótãos, cansada e experimentada. O que você quer é passar mansamente do sótão à sala de jantar, daí à de visitas e ao lesto.

- Está bem, mas deixe-me ficar um tempo mais, estou na pista de um mistério…

- Que mistério?

- O da vida e da morte. Peço-lhe só uns dez minutinhos.

A razão pôs-se a rir.

- Hás de ser sempre a mesma cousa… sempre a mesma cousa… sempre a mesma cousa…
E dizendo isto, travou-lhe dos pulsos e arrastou-a para fora; depois entrou e fechou-se. A Sandice ainda gemeu algumas súplicas, grunhiu algumas zangas; mas desenganou-se depressa, deitou a língua de fora, em ar de surriada, e foi andando…
Dentro de Brás Cubas, a Razão já tinha cedido espaço à Sandice outras vezes. Desta vez, foi como se ela tivesse dito: “Pensando bem, chega de lhe dar guarida. Pensando bem, estou cansada de você. Pensando bem, nossa relação termina aqui”.

 

Pensando bem…

 

O mundo moderno valoriza as pessoas que pensam melhor. A lógica aplicada à tomada de decisões, a velocidade do raciocínio para resolver problemas intrincados e uma memória capaz de recuperar fatos e nomes com rapidez são qualidades admiradas e até cultuadas. As emoções são importantes, desde que estejam sob controle do pensamento – a famosa inteligência emocional. “A vida é uma comédia para os que pensam, e uma tragédia para os que sentem”, disse o escritor inglês Horace Walpole. Será?

 

Será que pensar bem significa que a razão deve escravizar a emoção, o pensamento acorrentar o sentimento? Não, não se trata de uma disputa entre a razão e a emoção e sim entre a razão e a não razão, que Machado chamou de Sandice. Eu prefiro Machado de Assis.

 

Pensar bem quer dizer organizar o pensamento. Não significa apenas pensar e não sentir. Até porque o sentimento é o gatilho do pensamento. Pensamos nossa vida prática porque sentimos nossa vida interior, pensamos a engenharia porque ela facilita a vida e sentimos a poesia porque ela justifica a vida, pensamos a agenda para evitar a ira do tempo e apenas sentir as suas benesses.

 

Pensar bem significa ampliar a consciência e a capacidade de análise. Significa aprofundar a visão, como o mergulhador que parecia estar de olhos fechados até então. Significa aumentar o interesse pelos sinais da vida, usando uma lupa para concentrar a energia e acender o fogo do conhecimento. Significa perceber que as ciências, as artes, as filosofias, são companheiras interdependentes que, só em equipe, conseguem, de fato, dar clareza ao mundo.

 

Pare um pouco, apeie do bonde do motorneiro louco contratado pela mídia que define o sucesso, e pense bem. Pense nos valores reais, na amizade, na verdade, na justiça. Pense no trabalho porque ele dá dignidade e alegria, além de pagamento. Pense na felicidade construída pela razão a pedido da emoção. Pense na finitude da existência e na infinitude da vida. Pense nos sentimentos daqueles que você ama, e que amam você. Pense no amor. Pense bem…

 

Texto publicado sob licença da revista Vida Simples, Editora Abril.
Todos os direitos reservados.


Visite o site da revista: www.revistavidasimples.com.br

PALESTRAS E ENTREVISTAS

Entre em contato pelo e-mail: contato@sapienssolucoes.com.br
ou telefone: 11 3661-2765

BUSCA

ESCOLHA O IDIOMA